7 Qualidades surpreendentes dos melhores improvisadores do mundo (tradução).

Atualizado: 19 de Jul de 2020

7 QUALIDADES SURPREENDENTES DOS MELHORES IMPROVISADORES DO MUNDO

13 de abril de 2014 - 6 minutos de leitura.

Tópicos da lição: Como praticar Jazz - perspectivas de músicos de Jazz


Texto traduzido do original em inglês, disponível em JazzAdvice:


https://www.jazzadvice.com/7-surprising-qualities-of-the-worlds-best-improvisers/?utm_source=mailpoet&utm_medium=email&utm_campaign=qualities-in-players

Uau! Você está sentado na platéia de um show lotado e seu músico favorito acaba de subir ao palco. Técnica impecável, som impecável e infinitas linhas musicais criativas fluem do palco e enchem a sala de concertos. "Inacreditável", você pensa. "Este músico deve ser super humano!" Eles podem ser, mas você já se perguntou como esse mestre da música é como pessoa?

Como seria se você tivesse uma conversa depois do show? E se você pudesse ver dentro da sala de estudos dele?

Tenho certeza de que sua imaginação pode ir longe com as possibilidades, mas tenha cuidado ...

O que você espera nem sempre corresponde à realidade. De fato, nossa percepção sobre os grandes músicos geralmente pode estar completamente errada.

Tive muita sorte de entrar em contato com alguns dos melhores músicos do mundo e, após cada encontro, sempre me surpreendo com o que encontro.

Aqui estão sete qualidades e hábitos dos melhores músicos que te surpreenderão!


1) É TUDO SOBRE OS FUNDAMENTOS

Isso nunca deixa de me surpreender.

Finalmente consigo uma lição com aquele grande nome da improvisação e imagino imediatamente uma hora de idéias que mudarão a minha vida, novas possibilidades harmônicas e licks secretos que transformarão meu modo de tocar. No entanto, quando a aula acontece, novamente tudo o que se fala é sobre os fundamentos.

Notas longas, respiração, articulação, progressão de acordes simples, ritmo, escalas, um Standard...

Por quê? Bem, isso não é segredo, os fundamentos da musicalidade são os alicerces para se tornar um grande improvisador.

E todo mundo os ignora!

“No minuto em que você se afasta dos fundamentos - seja da técnica, ética de trabalho ou preparação mental -, a qualquer momento você pode ficar sem chão. Seja num trabalho escolar, no trabalho, ou em qualquer coisa que você estiver fazendo.” ~ Michael Jordan

Veja bem, o caminho para se tornar um grande improvisador não se refere a dobrar o tempo com um andamento rápido, saber harmonias super complexas ou executar acrobacias técnicas - trata-se de ritmo, som e elaboração de belas frases musicais.

Essas são as ferramentas básicas da sua expressão musical e estão muito mais interligadas do que você pensa.

É nessas escalas, acordes, intervalos e sutilezas do tempo que os melhores jogadores encontram uma fonte inesgotável de idéias para praticar.

O foco intenso nos fundamentos é a única coisa que separa músicos decentes dos melhores músicos do planeta.


2) MESMO OS MELHORES MÚSICOS NÃO CONHECEM TODOS OS TEMAS

Eu serei honesto.

Eu nunca tive contato com um músico que conhece todas as músicas... (exceto - talvez - Harold Mabern).

Parece senso comum, certo? Afinal, quem conhece 5.000 músicas?

No entanto, a história sempre se repete. Durante anos que participei de jam sessions e oficinas, ouvia a mesma frase: "Você precisa conhecer todas essas músicas!"

Mas quando nos deparamos com a realidade, mesmo os melhores músicos não conhecem todas as músicas.

Não há dúvida de que eles têm um repertório sólido e podem tocar tudo excepcionalmente bem, mas isso ocorre porque eles desenvolveram ótimos ouvidos, ouviram muita música e passaram anos construindo seu repertório.

No entanto, não importa quem você é, você encontrará uma situação em que não conhece uma música ... e essa situação te colocar a prova.

A diferença entre um amador e um mestre é que os melhores músicos têm as habilidades necessárias para executar aquele tema desconhecido de maneira coesa.

Eles conseguem ouvir um intervalo, uma melodia, tipos de acordes ou uma progressão harmônica e imediatamente saber o que é e o que tocar sobre eles. Essa habilidade é mais valiosa do que conhecer todas as músicas já escritas.







3) O APRENDIZADO NUNCA PARA


Alguns músicos chegam a um ponto em que sua execução é boa o suficiente.

O aprendizado pode parar depois que você terminar uma graduação, a prática diminuir quando começam a surgir muitas gigs, e a busca por novas idéias pode ser abandonada quando você começa a ter alunos.

Mas não para os melhores músicos.

Aprender - para os melhores músicos - é um processo de vida. Os melhores músicos são sempre estudantes.

Na escola, lembro-me de ficar chocado ao ver Mulgrew Miller ir ao piano durante as lições para elaborar linhas e melodias. Eu ficava lá e ouvia, imaginando: “O que ele está praticando? Em que aspecto ele ainda precisa trabalhar a essa altura?”


Isso realmente me abriu os olhos. Uma das razões pelas quais ele era um músico tão incrível é que ele nunca parou de aprender ou trabalhar para melhorar. A cada dia ele continuava procurando novas possibilidades na música, sempre havia algo mais a descobrir.

4) É TUDO SOBRE A MÚSICA, NÃO SOBRE O SEU EGO

Músicos inexperientes podem ter grandes egos, bons músicos podem ter grandes egos e até grandes músicos podem ter grandes egos.

No entanto, mestres da música são outra história.

Você pode esperar que os maiores improvisadores sejam completamente cheios de si mesmos, mas sempre fico surpreso com a humildade desses músicos.

Enquanto todos os grandes músicos estão confiantes em suas habilidades, os maiores mestres entendem que sempre há espaço para melhorar. No nível mais alto, o objetivo da música não é competir e vencer: é ter maior entendimento e domínio na criação de seu som pessoal.

A certa altura, um ego inflado impede seu desenvolvimento. Por que continuar praticando e se esforçando se você acha que já realizou tudo? Como Roy Hargrove fala no video abaixo, nada o manterá mais honesto consigo mesmo do que tocar junto com os melhores músicos que você puder.


6) MESMO GRANDES MÚSICOS TIVERAM QUE BATALHAR

Olhe para os maiores nomes do Jazz hoje.

Vendo seus rostos em revistas ou seus nomes em festivais de Jazz em todo o mundo, é difícil imaginar que eles permaneceram muito tempo como músicos desconhecidos.

Isso ocorre porque vemos apenas o produto final - os "frutos" do trabalho deles. O que não vemos são os anos de prática e luta que os levaram até lá.



“Nunca, ao longo da história, um homem que viveu uma vida tranqüila deixou um nome que vale a pena lembrar.”

~ Theodore Roosevelt


Assim como todo artista de sucesso, esses músicos tiveram que lutar para ganhar a vida em seus próprios termos como músico. Em muitos momentos eles passaram horas sozinhos na sala de prática, quando ninguém sabia seu nome e quando ninguém queria ouvi-los.

Confira esta entrevista com Kurt Rosenwinkel, onde ele conta uma história de quando ele “… estava tirando as almofadas do sofá para ver se encontrava alguma moeda para comprar uma fatia de pizza”.

Ou o vídeo abaixo, onde David Binney fala sobre sua primeira vinda a Nova York e seu emprego diário durante 10 anos.

Tornar-se um grande improvisador com uma voz original não é fácil, inclusive para os melhores.


7) A HABILIDADE DE DIZER "NÃO"

Se você quer ser realmente bom em uma coisa, não pode fazer tudo.

Cada dia tem um número limitado de horas e você deve escolher onde e quando gasta seu tempo e energia criativa. Isso significa dizer "não".

As pessoas estão sempre competindo por sua atenção e habilidades e, quanto melhor você for, mais pessoas buscarão usar seus talentos para seus próprios projetos.

Logo você estará gastando mais tempo no projeto de outras pessoas do que no seu. Em vez de praticar e seguir sua própria visão criativa, você está envolvido em ensaios e shows para músicas que não são importantes para você.

Os maiores músicos perceberam isso e são seletivos no que fazem com suas energias criativas. Isso significa fazer shows alinhados à sua visão musical, focar nos projetos que são importantes para eles e colaborar com músicos que têm a mesma visão musical.

Significa dizer não a shows e projetos musicais que vão prejudicar sua música.

Essa nem sempre é a rota mais lucrativa, mas é o caminho que os melhores músicos seguiram.


PERCEPÇÃO VS. REALIDADE

A opinião geral faria você acreditar que os melhores músicos conseguiram alcançar conquistas apenas por talento e sorte.

No entanto, essa percepção raramente é verdadeira e tal mentalidade pode desviá-lo em sua própria jornada musical.

Se o seu objetivo - assim como o meu - for a excelência em música, lembre-se dessas sete pontos todos os dias em sua busca para melhorar.

Você pode ficar com músicos que aceitam o status quo, que são medíocres e que se contentam com a leitura de músicas do RelaBook nos shows.

Ou você pode se esforçar para adquirir essas 7 qualidades dos melhores improvisadores do planeta - depende de você.

Baixe este e outros materiais em PDF gratuitamente!


https://www.solosaxtranscriptions.com/pdf-s-free




34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo